“O túnel sem voz”

Por Adrianna Ribeiro

Existirá paz n’alma do aventureiro,
Se tudo na vida é fugaz?
Eis que o nobre cavaleiro
Se pergunta, por que ele não jaz com os demais guerreiros?

Franze a tez, pois as memórias conforto não lhe trazem
Atormentam apenas sua lucidez.
Pois lembra-se do amigo caído,
Assim, desfalecido…

Surge em seu caminho um novo algoz.
Um cão feroz,
Guardião atroz do túnel sem voz.

Sorte ou Morte? Tanto faz…
Mas afinal, quem morreu?
Foi ele ou fui eu?

Sobre Drika Yar

A autora nasceu na cidade do Rio de Janeiro, em 1971. Curiosa e questionadora, sempre buscou formas diferentes de olhar para as coisas a sua volta, talvez, daí tenha surgido o interesse pela área de exatas. Seu gosto pela leitura e, posteriormente, pela escrita aflorou ainda na adolescência em meio sua fascinação por ficção científica, bem como, pelos contos e lendas das Eras Antiga e Medieval.
Esse post foi publicado em Poesia, Soneto. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s