“O Estandarte”

Por Adrianna Ribeiro

Que guerra tem fim no coração do guerreiro
Quando a alegria, de enfim, retornar ao lar
Lembra-o da dor sem fim
Dos entes daqueles que não vão voltar.

O pesadelo é eterno e constante
E ele que vai adiante
Levando consigo o estandarte
De uma batalha que lhe garantiu um infarte.

Do sonho voltarás ou não?
É que ele morreu ou ao perecer se viu morrer?
Esta dúvida gela-lhe o coração, que já não bate então.

Mas, e seu pelotão? Morreram ou não?
E o que dizer do cão?
Guia ou Guardião?

Sobre Drika Yar

A autora nasceu na cidade do Rio de Janeiro, em 1971. Curiosa e questionadora, sempre buscou formas diferentes de olhar para as coisas a sua volta, talvez, daí tenha surgido o interesse pela área de exatas. Seu gosto pela leitura e, posteriormente, pela escrita aflorou ainda na adolescência em meio sua fascinação por ficção científica, bem como, pelos contos e lendas das Eras Antiga e Medieval.
Esse post foi publicado em Poesia, Soneto. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s