“As Estações”

Por Adrianba Ribeiro

Mais um ano, e as estações vem e vão
Outono, Inverno, Primavera e Verão
Cada uma do seu jeito, sempre aclimatizarão
Mas nenhuma é tão bela quanto a efêmera primavera

Com sua floral sutileza
Inerte em leveza
Brinda-nos com sua delicadeza
Em meio a sua primaveral natureza

Mas a vida é mórbida,
Mesmo para a bela rosa atrevida
Cujos espinhos lhe servem de defesa suicida

Eis que a árvore-da-vida arqueia
Sacode, tremula, bambeia
E ano após ano, anseia pelas folhas alheias.

Sobre Drika Yar

A autora nasceu na cidade do Rio de Janeiro, em 1971. Curiosa e questionadora, sempre buscou formas diferentes de olhar para as coisas a sua volta, talvez, daí tenha surgido o interesse pela área de exatas. Seu gosto pela leitura e, posteriormente, pela escrita aflorou ainda na adolescência em meio sua fascinação por ficção científica, bem como, pelos contos e lendas das Eras Antiga e Medieval.
Esse post foi publicado em Poesia, Soneto e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s