A Traição

Por Adrianna Ribeiro

Seria o perdão indigno?
Ou seria perdoar um ato da razão?
A esposa traída perdoa o marido indigno?
Ou perdoar fora apenas um gesto de submissão?

O vestido pendia no prego
Prova irrefutável da infidelidade daquele que tinha um super-ego
E ela, tirando forças de um alter-ego,
Sujeita-se, a mais uma vez, a recebê-lo em seu aconchego.

As filhas, os passos do pai não escutam
Tão pouco se importam
Mas é com o vestido carmim que seus olhos se encantam

A vadia, d’antes esbelta e bela, Dona Florisbela
Foi-se com o coração estilhaçado, em óleo sobre tela,
E a bela esposa, que de bela nada tinha, se reconforta com esta a vingança singela.

Sobre Drika Yar

A autora nasceu na cidade do Rio de Janeiro, em 1971. Curiosa e questionadora, sempre buscou formas diferentes de olhar para as coisas a sua volta, talvez, daí tenha surgido o interesse pela área de exatas. Seu gosto pela leitura e, posteriormente, pela escrita aflorou ainda na adolescência em meio sua fascinação por ficção científica, bem como, pelos contos e lendas das Eras Antiga e Medieval.
Esse post foi publicado em Poesia, Soneto. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s